Beto Muniz Picture

Desmistificando o Polymer: Polymer FAQ (unofficial)

3 min read

E enfim, chegamos ao terceiro post, porém se você não leu o primeiro post e nem o segundo post, recomendo a leitura deles, pois assim você terá uma melhor absorção do que será abordado neste post...

E a razão deste post, nada mais é que um esclarecimento de diversas dúvidas com relação ao que o Polymer oferece, e caso você tenha alguma a mais, sinta-se a vontade de colocar também nos comentários. Mas vamos lá, vamos ao FAX.

O Polymer é...

...apenas um polyfill?

O Polymer tem sim o melhor polyfill para se trabalhar com Web Components nos browsers atuais, mas como já colocado em um post anterior, ele não é apenas um polyfill, o polyfill é apenas uma das camadas de atuação dele. E prova disso é o isolamento total do polyfill da biblioteca. Você por exemplo, pode usar o polyfill que o polymer usa para desenvolver seus Web Components de forma nativa, mas com a vantagem de fazer eles funcionarem no Safari e Internet Explorer.

...um framework killer?

Não, na verdade o Polymer não é um framework em nenhuma de suas camadas de atuação, visto que o foco do Polymer é entregar um desenvolvimento linear, pragmático e rico de Web Components, ou seja, você poderá utilizar o Polymer com qualquer framework ou biblioteca, e por isso, ele não é nenhum assasino de frameworks ou bibliotecas.

...o próximo AngularJS?

Não, a finalidade do Polymer, como eu disse anteriormente é para o desenvolvimento de Web Components e o AngularJS tem como propósito principal o desenvolvimento de Aplicações Ricas através da oferta de funcionalidades como: Services, Rotas, Models entre inúmeros outros recursos, mas nada impede a utilização do Polymer com Angular, visto que ambos tem propósito diferente e benefícios diferentes.

Angular Directives e Ember Components já atendem tudo que estes novos padrões pregam. Pra que usar Polymer para isso?

Realmente a realidade de ambos recursos do AngularJS e do EmberJS respectivamente são semelhantes, mas não atendem o que os padrões abaixo do padrão Web Components oferecem, por exemplo quando o assunto é isolamento do componente, utilizando o Angular Directives ou o Ember Components você tem isolamento apenas a nível de Framework e apenas do JavaScript, mas utilizando o Polymer, você isola CSS, HTML e JavScript a nível de browser, ou seja, segurança e isolamento de aplicação nativa para seu componente.

Ouvi elementos? Então o Polymer é o próximo Twitter Bootstrap?

Não mesmo, ele oferece componentes prontos, mas seguindo a filosofia de eliminação de boilerplate, onde ele permite você também criar elementos e usufrir de todos os recursos que ele oferece, pense nos elementos que ele oferece apenas como blocos de construção para serem utilizados e inclusive recriados, mas não apenas isso.

O Polymer é o Material Design da Google?

Não, mas a Google por utilizar-se de do Material Design como padrão de aplicação, nada mais sensato que utilizar o Material Design nas aplicações feitas com Polymer, ou seja, em algumas categorias de elementos visuais oferecidos pelo Polymer eles aplicam sim o Material Design, mas resumindo, o Polymer não é o Material Design, porém é um caminho para utilização dele.

Mas isso é muito futurista, o Polymer é uma ferramenta do futuro?

Não mesmo, justamente porque ele já está pronto para ser utilizado, com as devidas cautelas, mas não tem nada de futurista no que estou dizendo nesta série, pois como já até exemplifiquei em posts anteriores, já tem gente usando esses padrões e gente muito grande por sinal, como é o caso do Github.

E por hora, é isso... conto com você leitor para aumentar ainda mais esta lista, não deixe de comentar.

Top de mais!

E para não perder o custome:

Vamos componentizar! o/